Marketing digital para produtos alimentícios

Quais são as tendências de marketing digital para a indústria de alimentos? O setor de Alimentos e Bebidas é um setor enorme e diversificado.

Vai desde grandes marcas a cadeias de restaurantes, desde produtores e distribuidores, tanto a nível local como nacional; é uma indústria que lida com bens essenciais para todos.

Se formos mais fundo, temos que olhar para os próprios “bens” materiais, mas também para os aspectos mais abstratos baseados na experiência, que dizem respeito, em suma, mais ao prazer do que à necessidade. 

Basta olhar as telas de nossos smartphones e entre as postagens de nossos amigos no Facebook ou Instagram para perceber um fato: Alimentos e Bebidas em todas as suas formas, é um grande sucesso no mundo digital.

Resumindo: a transformação digital revolucionou a indústria, em todos os seus setores complexos e em toda a sua cadeia de suprimentos. A mudança foi perturbadora. 

Já mencionamos as redes sociais, mas pense nos portais dedicados a reviews (como o TripAdvisor),) ou delivery. 

Assim, o digital impactou os próprios mecanismos de produção e distribuição, com o impacto de uma lista de melhores panelas moldando novos modos de consumo. 

Marketing digital para a indústria de alimentos: 3 tendências

Neste post queremos mover nosso olhar para o horizonte e focar nas tendências que irão impactar o marketing deste setor.

1. Novas palavras-chave: sustentabilidade e saúde

Há vários anos, as palavras-chave associadas a alimentos mudaram. Em suma, o sentimento público mudou. 

Isso impactou a estratégia da marca quando se trata de produção e marketing. Em meio a isso, duas tendências parecem muito sólidas e em constante expansão.

Em primeiro lugar, há uma nova atenção ao tema da sustentabilidade ambiental; não é mais uma consciência de nicho, mas algo que está se tornando cada vez mais comum, especialmente entre os membros mais jovens da população. 

Neste caso, não se trata apenas da comida e da bebida em si, mas também da embalagem. 

Além disso, não podemos esquecer outra palavra-chave importante: Saúde.

Há um foco cada vez maior no impacto dos alimentos em nossas vidas, onde tópicos como orgânicos, intolerâncias alimentares, slow food e fitness também estão recebendo mais atenção.

Mais uma vez, estamos rodeados de exemplos. Basta pensar na mudança nas identidades de algumas marcas, em mudanças nas regulamentações nacionais.

2. SEO é essencial

SEO (Search Engine Optimization) é o conjunto de estratégias e práticas utilizadas para otimizar o posicionamento nos resultados orgânicos de um site nos buscadores.

Entender o SEO será cada vez mais fundamental no marketing digital deste setor tão competitivo onde aparecer entre os principais resultados do Google é importante.

 Para alguns produtos e serviços, não estar visível no Google significa quase não existir para os consumidores. Na indústria de alimentos, isso é relevante tanto para produtores quanto para varejistas e restaurantes.

3. Redes sociais no centro

A comida é “o rei do social”. Para entender a extensão desse fato, vejamos alguns dados.

Por fim, qual é a rede social com o crescimento mais impressionante? Sem dúvida o Instagram, um ecossistema baseado em imagens e vídeos, o tipo de mídia significativamente mais eficaz para contar histórias na Indústria Alimentar (fonte). 

Falando em contar histórias nas redes sociais: o “Santo Graal” é o UGC, Conteúdo Gerado pelo Usuário, conteúdo que é gerado “espontaneamente” pelos usuários. 

São precisamente estes que inspiram a maior confiança do público: são vistos como mais sinceros e autênticos.

Leave Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *